Viajandona

1116

E todos os meus planos após os estudos de querer viajar o mundo inteiro caíram por água abaixo assim que soube que estava grávida. As prioridades mudaram radicalmente. Passei a me preocupar mais em manter-me num emprego fixo que pudesse me dar estabilidade para viver com uma criança do que pegar todo meu dinheiro e ganhar o mundo com uma mochila nas costas e uma criança no sling.

Só que aquela vontade de continuar viajando nunca me deixou. Sou daquelas assalariadas que fica o ano inteiro só pensando e planejando as próximas férias. Após 4 anos de Gael não passei nenhum ano sem fazer uma viagem de férias além de micro passeios de fim de semana e feriados. Afinal, sou geógrafa e minha curiosidade de conhecer pessoas e lugares é inerente à minha formação.

Gael já foi nos Lençóis Maranhenses, no Ver-o-Peso em Belém-PA, andou nas ruínas incas de Machu Picchu, dormiu numa ilha do Lago Titicaca, conheceu o Congresso Nacional, deu um pulinho em Pirenópolis, passou um mês inteiro indo nas maravilhosas praias de Florianópolis, além de passeios mais próximos da nossa casa: Sana, Lumiar, Petrópolis, Búzios, Cabo Frio.

Aqui a proposta é trazer uma reflexão pré-viagem e o intuito é tornar o passeio agradável. Fiz uma breve lista de sugestões de atitudes e sentimentos que podemos levar para viajar e que devemos deixar em casa. Mas, por amor, leia com fluidez e adapte cada dica de acordo com sua realidade. Não estou aqui para ditar ou cagar regras para ninguém, combinado?


1- Leve planejamento básico

Saber onde vai dormir nos primeiros dias de viagem é fundamental para chegar com calma e ter um canto para descansar com a cria. Nas últimas viagens eu tive pelo menos alguns dias na casa de algum amigo ou parente. Priorizei lugares que eu tivesse algum Porto Seguro, assim qualquer imprevisto eu teria pessoas que pudessem me dar suporte, indicações de lugares, uma casa que dê um aconchego e quem sabe até uma negociação de um vale night.

Outro item do planejamento é fazer um check up na criança com a/o pediatra de confiança e se possível, pegar um contato para tirar dúvidas ao longo da viagem. Nas últimas vezes tivemos alguns contratempos, uma febre, uma batida de cabeça e até beber todo o xarope de mel fitoterápico a criança bebeu, ficamos mais seguros quando temos alguém da nossa confiança para trocar antes de correr para o pronto-socorro. Diante disso vamos para o próximo item.


2- Deixe expectativa

Criar muita expectativa é deixar uma porta aberta para frustração. Então é seguir no melhor ritmo "deixa a vida me levar" ao longo das férias ou da viagem. Certa vez fomos pra Florianópolis, praia all the time. Tiveram dias que a gente não conseguiu sair pois a criança estava tendo diarreia por ter comido alguma coisa, dentre as várias que comemos, na praia. Então, dica de ouro, se for à praia, o ideal é levar um lanchinho saudável para criança.


3- Leve a paciência

Isso você já usa muito e vai precisar constantemente por que estarão todos fora da rotina. Então é certo que em algum momento da viagem a criança vai se irritar por causa de sono, fome ou qualquer outra coisa. Sinceramente, se sua paciência não estiver nos melhores níveis de estabilidade, pela saúde mental e bem-estar, super recomendo a utilização dos demonizados eletrônicos, que nesses momentos nos proporcionam minutos de paz interior. E lembre-se de não olhar para o rosto de ninguém à sua volta, poupe-se. Para evitar frustrações de adultos e crianças converse e faça combinados antes de sair. E mantenha-se atenta(o) aos sinais de cansaço tanto das crianças quanto dos adultos.


4- Deixe a rotina

Quando penso em rotina penso em: café da manhã, banho, almoço, soneca, escovar dentes, trocar de roupa, dormir. Óbvio que não é para deixar correr frouxo demais. Deixar a rotina é naquele sentido de que se dormiu suado, relaxa. Se atrasou a hora do almoço, relaxa. Se a criança não está a fim de dormir naquela hora, tenta dar uma saidinha para um lugar próximo e relaxa. Eu fiz a doideira de querer desfraldar Gael nas férias, e foi a maior burrada da vida materna. Me estressei durante uma semana das minhas férias e dei um passo para trás no desfralde. Assim que voltamos, primeira semana em casa e todos já adaptados à rotina, conseguimos desfraldar durante o dia e em menos de um mês a fralda noturna também havia nos deixado. Nesse caso a rotina foi nossa parceira, mas nas férias, não tanto.


foto: Aline Brant

5- Leve atenção

Nunca tive a experiência de viajar sozinha com a criança, o pai sempre esteve junto. Privilégio nosso, reconheço. Nesse caso é bem mais tranquilo ter essa atenção redobrada por sermos dois adultos, cuidando de uma criança. E mesmo nesse formato de família tradicional brasileira nós já passamos alguns apertos de a criança se distanciar na praia lotada ou sair correndo no aeroporto na hora do embarque. Para essas horas de deslocamento eu usei muito o sling ou a mochilinha. O único transtorno é no aeroporto quando a criança está que nem um anjo dormindo tipo canguru e na hora de do detector de metais os funcionários nos mandam tirar a criança do sling e passar com ela no estilo rei leão. Aí você respira fundo e pensa que aquele cara só está cumprindo ordens. Como toda mãe e pai sabem sobre crianças pequenas e repetições, fale sempre sobre o perigo de ficar distante ou de sair correndo.


6- Deixe ansiedade

A criança percebe quando você está ansiosa e por mais difícil que esteja a situação, lembre-se de respirar e ensine isso para criança também. E se as coisas não saírem como o planejado, pois com certeza isso acontecerá, pensem juntos na mudança de planos.


7- Abrace as oportunidades

Se tiver que ficar no hotel/pousada/casa, por que deu uma diarreia na criança ou por que pegou uma gripe, desconsidere a saída e foque na saúde, no carinho em ficar agarradinha com a cria. E quem sabe colocar em dia as séries dos adultos e das crianças também. Se mantenha atenta às oportunidades que aparecem: até aquelas de simplesmente descansar no momento em que a criança dorme.


8- Deixe rigidez

Não se incomode se você for almoçar às 11:30 ou às 15 horas. Ou se naquele dia não rolou almoço também, vocês estão de férias. Às vezes a praticidade de um sanduíche alimenta todo mundo e dá mais fluidez para o dia. Não se importe se são meia noite e a você ainda está com a criança acordada. Se ela estiver bem e curtindo aproveite, se estiver rolando aquela luta contra o sono, novamente o sling será um item essencial.

Agora é escolher o destino pois lugar de mãe com sua cria é onde ela quiser.